Se enganou quem achou que a decisão dos juros nos Estados Unidos seria o único destaque do dia. O cenário fiscal doméstico roubou a cena e o Ibovespa voltou ao território negativo.

O principal índice da bolsa brasileira fechou em baixa de 1,40%, aos 119.936 pontos, renovando a mínima do ano e ao menor nível desde junho de 2023. O dólar à vista subiu na comparação com o real e fechou a R$ 5,4062, com alta de 0,84%

Por aqui, o presidente Lula se encarregou de trazer novas incertezas sobre o andamento das contas públicas ao afirmar, em evento, que o governo está “colocando as contas públicas em ordem para assegurar o equilíbrio fiscal”.

A declaração foi mal recebida pelo mercado, já que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, prepara um ‘cardápio’ de cortes de gastos.

Combinado com a devolução da MP que altera a regra do PIS/Confins pelo Senado, os investidores passaram a precificar um possível enfraquecimento de Haddad no governo.

Ainda que em segundo plano, a decisão de política monetária nos Estados Unidos trouxe surpresas para a trajetória dos juros. O Federal Reserve (Fed) manteve os juros inalterados pela sétima vez consecutiva na faixa de 5,25% a 5,50% ao ano, com a sinalização de apenas um corte até o final do ano.

Confira o que movimentou os mercados nesta quarta-feira (12).

Fonte: SeuDinheiro

Share.