RESUMO DO DIA: Os investidores que aguardavam por um sextou tranquilo terão que exercer a paciência nesta sexta-feira (14). Isso porque o pregão de hoje é marcado por incertezas, em meio à espera do mercado nacional pela divulgação do IBC-Br.

Na Europa, o risco político na França com o avanço da extrema-direita drena o apetite por risco.

Já em Wall Street, a deflação inesperada do PPI reacendeu as esperanças de dois cortes nas taxas de juros dos EUA. Ainda hoje, serão divulgados dados das expectativas sobre a inflação norte-americana e o índice de sentimento do consumidor. 

Na Ásia, investidores reagiram positivamente ao anúncio do Banco do Japão (BoJ) sobre a manutenção do volume atual  de compras de títulos do governo japonês (JGBs). 

Por aqui, o Ibovespa vem de uma leve queda e tenta recuperar o fôlego após declarações do presidente Lula, do ministro Fernando Haddad e da ministra Simone Tebet reduzirem os ruídos em relação às políticas fiscais brasileiras.

Os investidores nacionais monitoram também a divulgação do IBC-Br, que deve mostrar melhora em abril e ajudar investidores a calibrar as expectativas para a nova reunião do Copom. 

Além disso, a reunião do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, com banqueiros também fica no radar.

Confira o que movimenta os mercados nesta sexta-feira (14). 


DASA E AMIL SELAM PARCERIA E SE TORNAM O SEGUNDO MAIOR GRUPO DE HOSPITAIS DO PAÍS

A Dasa (DASA3) e a Amil fecharam o acordo para a criação da Ímpar Serviços Hospitalares, conforme publicado nesta sexta-feira (14) pelo Broadcast.

O negócio é uma joint venture (empreendimento controlado em conjunto), da qual Amil e Dasa deterão 50% do capital cada.

Com isso, a rede abarcará 25 hospitais e centros oncológicos das duas empresas e terá 4,4 mil leitos, com faturamento anual de R$ 10 bilhões, segundo fontes.

Dessa forma, a união formará o segundo maior grupo de hospitais do Brasil, perdendo apenas para a Rede D’Or (RDOR3) e terá 14 hospitais da Dasa e 11 da rede Américas (rede independente da Amil), atuando principalmente no Sudeste e Distrito Federal.

Leia mais.

BANCO CENTRAL DO JAPÃO MANTÉM TAXA DE JUROS

O Banco do Japão (BoJ) manteve inalterada a taxa de depósitos na faixa de 0% a 0,1% nesta sexta-feira.

A decisão já era esperada em certa medida. Em março, o BoJ elevou os juros pela primeira vez em 17 anos e abandonou o instrumento de controle da curva de juros (YCC).

O BoJ também indicou que seguirá com o ritmo de compras dos títulos públicos locais (JGBs). No entanto, os detalhes das aquisições para os próximos um a dois anos serão definidos somente na reunião de política monetária do dia 30 de julho.

COMO FECHOU O IBOVESPA ONTEM

O Ibovespa ensaiou uma recuperação no último pregão, mas permaneceu em tom negativo no último pregão. O principal índice da B3 encerrou o dia em leve queda de 0,31%, aos 119.567 pontos.

Falas do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e da ministra do Planejamento, Simone Tebet, ajudaram a reduzir os ruídos fiscais.

Já o dólar à vista encerrou a sessão em queda de 0,70%, a R$ 5,3686.

Confira o que movimentou os mercados na quinta-feira (13).

Fonte: SeuDinheiro

Share.