A temporada de resultados é marcada pela alta volatilidade das ações, com a reação dos investidores aos números e ao que se espera da companhia em um futuro próximo. Mas a Suzano (SUZB3) não precisou dos números do balanço. 

Na antevéspera da divulgação dos resultados do primeiro trimestre, os papéis da companhia de celulose e papel renovaram a mínima intraday na B3 com recuo de mais de 10% na B3. Siga os mercados.

Mas a forte queda deve-se a outro evento. Segundo a Reuters, a Suzano abordou a empresa norte-americana International Paper (IP) com a uma proposta de aquisição de quase US$ 15 bilhões (R$ 76,08 bilhões no câmbio atual), o que equivale a cerca de US$ 42 por ação. 

Ontem (6), as ações da International Paper encerraram as negociações em Nova York a US$ 36,92. Sendo assim, a oferta da Suzano prevê uma valorização de quase 14% dos papéis. 

Contudo, a International Paper deve rejeitar a oferta da Suzano como inadequada, ainda segundo a agência. 

A proposta acontece um mês após a International Paper firmar acordo de compra da DS Smith por US$ 7,1 bilhões. Essa operação tem foco na expansão da presença da empresa norte-americana na Europa e deve ser concluída até o fim de 2024 — mas pode ser interrompida agora com a proposta da companhia brasileira. 

Procurada pelo Seu Dinheiro, a Suzano não quis comentar a notícia. Enquanto isso, o mercado aguarda o balanço do primeiro trimestre, que será divulgado na próxima quinta-feira (9) depois do fechamento dos mercados. 

Por que as ações caem 

O negócio pode ser vantajoso para a expansão dos negócios da Suzano, que já é a maior fabricante de celulose do mundo e tem cerca de US$ 70 bilhões em valor de mercado. De todo modo, a notícia não foi bem recebida pelo mercado. 

Isso porque a possível aquisição consumiria um investimento considerável, além de pesar sobre o endividamento da empresa, que vem em queda. 

Na visão da Ativa Investimentos, o eventual negócio também reduz a perspectiva de pagamento de dividendos aos acionistas. 

Suzano: expectativas para o balanço

A Suzano divulgará os números do desempenho de janeiro a março em 9 de maio depois do fechamento dos mercados. 

A expectativa, assim como no trimestre anterior, é que os números ainda sejam fracos. Segundo estimativas da Genial, o lucro líquido deve apresentar uma queda de 98,4% na base anual, a US$ 86 milhões. 

Entre os motivos estão a variação cambial da dívida, além da redução dos volumes de celulose por sazonalidade e necessidade de reestocagem. 

No trimestre anterior, a Suzano reportou uma queda de 39% no lucro líquido entre setembro e dezembro de 2023, na comparação com o mesmo período do ano anterior, pressionado pela queda nos preços de celulose.

Fonte: SeuDinheiro

Share.