Saudações, entusiasta do mundo cripto! Marcello Cestari novamente aqui e escrevendo para vocês. Para aqueles que não me conhecem, sou o trader e analista responsável por todos os fundos de criptoativos na Empiricus Gestão. Além do trabalho na gestora, regularmente produzo conteúdo e análises aprofundadas sobre o mercado de criptoativos em meu Instagram @cestari.crypto e escreverei mais vezes aqui nos insights, qualquer comentário, feedback ou dúvida podem me procurar no Instagram sem problema algum.

Você já ouviu falar em restaking? 

Basicamente é uma nova tendência no mundo de DeFi que permite reinvestir o mesmo ETH na Ethereum e em outros protocolos, protegendo todas essas redes simultaneamente.

Por exemplo, se você faz um staking de 32 ETH na rede da Ethereum para se tornar um validador, você pode utilizar esses mesmos 32 ETH para fazer staking em outros protocolos através de um protocolo chamado Eigen Layer

A Eigen Layer é um protocolo construído na rede da Ethereum que permite que protocolos integrados a ela aproveitem a rede confiável altamente segura da Ethereum sem a necessidade de estabelecer seu próprio conjunto de validadores, oferecendo uma opção de disponibilidade de dados fora da cadeia para Camadas 2 para reduzir ainda mais custos.

Ou seja, se tem um protocolo que está começando mas ainda não tem tração de validadores para melhorar a segurança do seu projeto, ele pode se integrar na Eigen Layer e através dela ter acesso a rede segura e tecnologia da Ethereum. 

Como fazer o restaking

Existem vários métodos de restaking na Eigen Layer e isso depende do nível de risco que cada usuário quer assumir.

Os métodos vão desde o restaking nativo de ETH até restaking de tokens LP (são tokens depositados em sua carteira após o depósito em uma liquidity pool. Servem como garantia de que você possui uma parte do pool e, quando quiser, poderá trocá-los pela porcentagem correspondente) que incluem ETH ou tokens de staking líquido que o usuário recebe quando tem ETH em staking em protocolos de staking líquido como por exemplo, Lido Finance, Rocket Pool, etc.

Ou seja, tem diversas opções de restaking. 

Quais são os prós do restaking? 

Para os protocolos que são integrados a Eigen Layer, o restaking reduz a barreira de entrada de um novo protocolo para se estabelecer no mercado, visto que o restaking é como alugar confiança na rede Ethereum sem precisar montar seu próprio grupo de validadores.

Isso facilita o lançamento e crescimento dos protocolos, porque não precisam gastar dinheiro para atrair validadores.

Também ajuda a tornar os protocolos mais fortes e seguros, já que podem confiar na grande rede descentralizada do Ethereum.

Por sua vez, para os usuários o restaking é uma maneira de tornar o uso do Ethereum mais eficiente, pois possibilita ganhar mais recompensas usando a mesma quantidade de ETH.

Além disso, o restaking oferece a oportunidade de diversificar os investimentos em DeFi, permitindo participar de vários protocolos com diferentes propósitos e potenciais de retorno.

E os contras dessa novidade do mercado…

Para os protocolos, o restaking pode torná-los dependentes da rede Ethereum, uma vez que estão sujeitos às suas regras e mudanças.

Além disso, o restaking pode levar a uma competição entre os protocolos pela confiança dos usuários, pois precisam oferecer incentivos mais atrativos, como taxas e recompensas, para atrair e manter os restakers.

Já para os usuários o restaking apresenta um risco maior de perda de fundos devido ao slashing, que ocorre quando se participa de vários consensos ao mesmo tempo. Se um usuário se envolver em comportamento malicioso ou inconsistente em qualquer um dos protocolos, ele pode ser penalizado em todos.

Além disso, obviamente o restaking aumenta a complexidade e o gerenciamento dos investimentos em DeFi, uma vez que os usuários precisam de mais atenção com os validadores e protocolos que fazem parte da Eigen Layer. 

O sucesso desse novo protocolo que trouxe esse novo modelo de investimento pro mercado é tão grande que o protocolo já se tornou o 2º com maior TVL (valor total travado) no mercado na rede da Ethereum:

Ranking do Valor Total Travado (TVL) na rede da Ethereum: 

Fonte: DefiLlama

A Eigen Foundation que é a fundação por trás do projeto da Eigen Layer lançou no dia 29 de abril o whitepaper do token $EIGEN e anunciou seu lançamento em maio.

O token Eigen terá um fornecimento total de 1,67 bilhões de tokens no lançamento. A fundação alocou 45% dos tokens para sua comunidade. Isto é subdividido em stakedrops (15%), futuras iniciativas comunitárias (15%) e pesquisa e desenvolvimento de ecossistemas (15%).

Além disso, 29,5% dos tokens foram alocados a investidores, enquanto os primeiros contribuintes receberão 25,5%. Os investidores e contribuintes antecipados estão sujeitos a um período de bloqueio total de três anos para as suas alocações.

O primeiro ano envolve um bloqueio completo, seguido por uma liberação gradual de suas participações totais a uma taxa de 4% ao mês durante os dois anos subsequentes.

O airdrop da comunidade, ao qual EigenLayer se refere como stakedrop, distribuirá 15% do fornecimento de tokens para aqueles que interagiram usando a plataforma. Esses tokens serão distribuídos em várias temporadas.

Na primeira temporada, a fundação distribuirá 5% do fornecimento de tokens aos usuários com base em um instantâneo das atividades de piquetagem tirada em 15 de março de 2024. Desta alocação da primeira temporada, 90% dos tokens poderão ser resgatados em 10 de maio para restakers elegíveis – com uma janela de reclamação de 120 dias.

Os 10% finais poderão ser resgatados em uma segunda fase da primeira temporada, que acontecerá um mês depois.

Os outros 10% que estão destinados à comunidade por meio dos stakedrops estão reservados para as temporadas futuras.

Variações semanais (22/04/24 a 29/04/24) 

🪙 Bitcoin (BTC)

Preço: US$ 62.993 66.603 | Var. -5,42%

🪙 Ethereum (ETH)

Preço: US$ 3.170 | Var. -0,78%

🌐 Dominância Bitcoin: 54,86% (Var. -0,72%)

* dados referentes ao fechamento em 29/04/24

Além do restaking: Tópicos da semana 

  • Consensys, empresa por trás da Metamask abre um processo contra SEC: processo busca definir de uma vez por todas que ether não é um valor mobiliário e não configura um contrato de investimento. Eles argumentam que a SEC não deve expandir sua jurisdição para regular o futuro da internet, rotulando erroneamente o ETH como um valor mobiliário. A abordagem imprudente da SEC está causando caos para desenvolvedores, participantes do mercado e instituições ligadas a Ethereum. Ethereum representa não apenas a permissão de informação, mas também a permissão da engenhosidade humana. Consensys acredita que promover a adoção de plataformas blockchain como o Ethereum ajudará a remodelar e aprimorar como as gerações futuras gerenciarão sistemas econômicos, financeiros, sociais, políticos e tecnológicos. A ação visa proteger o ecossistema Ethereum e toda a extensão do ecossistema de protocolo descentralizado.
  • Franklin Templeton listou seu ETF de Ether à vista no site da Corporação de Compensação e Depósito (DTCC): No entanto, a listagem do ETF de Ether à vista da Franklin Templeton no site da DTCC não significa que a aplicação do ETF de Ether à vista da Franklin junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) será aprovada. O site da DTCC frequentemente lista valores mobiliários elegíveis para negociação e liquidação dentro de seus sistemas, incluindo ETFs que concluíram processos específicos de registro ou conformidade. No entanto, o status de aprovação de uma apresentação de ETF é determinado pela SEC com base em vários critérios regulatórios e considerações. A SEC adiou uma decisão potencial sobre a aplicação do ETF da Franklin Templeton em 23 de abril, concedendo um prazo adicional de 45 dias para avaliação, com prazo final em 11 de junho. Outros gigantes do setor, como BlackRock, Grayscale, VanEck e ARK Invest, também entraram na corrida dos ETFs de Ether à vista. No entanto, a probabilidade de aprovação dos ETFs de Ether à vista pela SEC difere daquela dos ETFs de Bitcoin à vista antes de sua aprovação em janeiro. Em março, o analista de ETFs da Bloomberg, Eric Balchunas, estimou as chances de aprovação pela SEC de um ETF de Ether à vista em maio em cerca de 35%, citando uma posição menos engajada do regulador do que durante o processo de aplicação do ETF de Bitcoin. Ele também mencionou que a posição do presidente da SEC, Gary Gensler, sobre Ether poderia impactar o processo de decisão, com Gensler se recusando a esclarecer se o Ether é um valor mobiliário.
  • A Offchain Labs, equipe por trás da Arbitrum, descobriu problemas de segurança na testnet do Optimism: Após correções, os problemas foram detalhados por Ed Felton, cofundador da Offchain Labs. As vulnerabilidades encontradas poderiam colocar os fundos dos usuários em risco. Arbitrum e Optimism são “rollups” do Ethereum, visando custos de transação mais baixos. Ambas as redes usam provas de fraude para evitar atores mal intencionados, mas problemas foram identificados na testnet do Optimism. Arbitrum e Optimism estão entre as maiores redes de segunda camada do Ethereum em termos de adoção.
  • Tether investe US$200 milhões na concorrente da Neuralink de Elon Musk: A Tether, conhecida por sua influência no mercado de criptomoedas, diversificou seus investimentos ao aportar US$200 milhões na Blackrock Neurotech, concorrente da Neuralink. Esse movimento marca a estreia da Tether na inovação centrada no potencial humano, por meio da Tether Evo. Agora, como principal acionista da Blackrock Neurotech, líder em tecnologia de Interface Cérebro-Computador, a Tether visa ajudar pessoas com paralisia e distúrbios neurológicos, enquanto impulsiona a evolução tecnológica. Os fundos investidos financiarão soluções médicas, pesquisa e desenvolvimento, visando melhorar a experiência humana. Essa iniciativa se alinha com outras divisões da Tether, como Tether Power (energia sustentável), Tether Edu (educação) e Tether Data (tecnologia em IA e P2P).

Gráfico da semana  

A Forbes divulgou uma lista polêmica de 20 criptomoedas zumbis de bilhões de dólares, descrevendo-as como ativos com avaliações substanciais, mas “utilidade limitada a além da negociação especulativa”.

A Forbes destaca Ripple XRP como exemplo proeminente de cripto zumbis, com um alto volume de negociação diária, mas uma utilidade principal “especulativa” e “sem significado”. 

Fonte: Forbes

Particularmente discordo de Stacks (STX). Se você olhar todas as ferramentas BTCFi, Stacks é a única layer 2 do Bitcoin com toda a infraestrutura para ter um bom desempenho. Acredito que Stacks (STX) será um dos principais layer 2 do Bitcoin. 

Por fim, vale salientar que escrevo aqui no Crypto Insights como convidado do time da Empiricus Research, uma vez que faço parte do time da Empiricus Gestão. Mas é sempre um prazer escrever aqui para vocês e agradeço novamente pelo convite. 

Forte abraço,

Marcello Cestari – Instagram: @cestari.crypto

Fonte: SeuDinheiro

Share.