São Paulo (Reuters) – A dívida pública federal subiu 3,10% em maio ante abril, para R$ 6,912 trilhões, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira (26).

No período, a dívida pública mobiliária federal interna (DPMFi) somou R$ 6,627 trilhões, com alta de 3,16%, enquanto a dívida pública federal externa (DPFe) atingiu R$ 285,47 bilhões, com elevação de 1,77%.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

Conforme o Tesouro, do total da dívida pública federal no final de maio, 22,68% correspondiam a títulos prefixados, 29,43% a títulos vinculados a índices de preços, 43,78% a papeis com taxas flutuantes e 4,11% a papeis cambiais.

O Plano Anual de Financiamento (PAF) do Tesouro atualmente estabelece um parâmetro de 40% a 44% para títulos com taxas flutuantes ao final de 2024. Questionado sobre o fato de o percentual atual já estar muito próximo do teto do PAF, o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Helano Dias, lembrou que o Tesouro realiza duas revisões do plano durante o ano, em abril e em agosto.

“A gente vai rever, avaliar a necessidade de revisão do PAF em agosto”, afirmou Dias, ressaltando que os parâmetros são para cumprimento no fim de dezembro. “Temos tranquilidade para lidar com indicadores e as balizas do PAF rumo aos cumprimentos das metas e dos intervalos no fim do ano”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Em maio, o aumento de 3,10% da dívida pública deveu-se, conforme o relatório divulgado pelo Tesouro nesta quarta-feira, “à emissão líquida, no valor de R$ 146,71 bilhões, e à apropriação positiva de juros, no valor de R$ 61,38 bilhões”.

O órgão informou ainda que a reserva de liquidez da dívida pública — uma espécie de “colchão” para o pagamento dos compromissos — subiu 16,7% em termos nominais em maio, para 1,032 trilhão de reais. Na comparação com maio de 2023, a reserva de liquidez avançou 4,96%.

“A reserva de liquidez está bastante acima do nível que a gente considera prudencial”, comentou Dias. “Hoje o caixa é capaz de suportar oito meses de dívida vencendo no mercado.”

Fonte: InfoMoney

Share.