São Paulo (Reuters) – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta segunda-feira (27)  que as expectativas de inflação subiram em meio a ruídos recentes, mas que a autoridade monetária entende que ao longo do tempo deve haver uma estabilização e posterior melhora nas projeções de mercado.

 

Em evento promovido pelo grupo Lide, em São Paulo, Campos Neto ressaltou que a percepção de que as expectativas estavam desancoradas foi muito importante para a decisão do BC de reduzir o ritmo do afrouxamento monetário.

Continua depois da publicidade

 

Entre os fatores que contribuíram para a desancoragem, ele citou ruídos relacionados às contas públicas no Brasil, a credibilidade do Banco Central e especulações sobre o compromisso com a meta de inflação.

Segundo ele, outro fator de ruído é a incerteza sobre o impacto fiscal do socorro emergencial ao Rio Grande do Sul, mas Campos Neto ponderou que essas dúvidas também devem diminuir com o tempo.

Continua depois da publicidade

Ele acrescentou que a inflação no Brasil está convergindo para a meta, se comportando de forma benigna no curto prazo.

 

O presidente do BC disse ainda que que tem preocupação com os resultados gerados por alterações climáticas, ressaltando que esses efeitos influenciam a atuação da autoridade monetária.

Continua depois da publicidade

Ele afirmou que variações climáticas podem desorganizar os preços de alimentos, a logística e a estabilidade financeira. Ele enfatizou que a média de episódios de “anomalia de temperatura” no mundo está em patamar elevado e subindo a cada ano.

 

Fonte: InfoMoney

Share.