Washington (Reuters) – O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta quinta-feira que o corte nos juros pelo Banco Central Europeu (BCE) é “apropriado”, dada a queda da inflação na zona do euro, mas que as autoridades do BCE e do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) devem manter uma abordagem dependente dos dados.

A porta-voz do FMI Julie Kozack também disse em uma coletiva de imprensa que a economia dos Estados Unidos precisa desacelerar em 2024 e que o Fed deve permanecer cauteloso no corte dos juros.

Nesta quinta-feira, o BCE cortou as taxas de juros pela primeira vez em cinco anos, juntando-se aos bancos centrais do Canadá, Suécia e Suíça na redução de alguns dos aumentos mais acentuados dos custos de empréstimos, adotados para conter o aumento da inflação pós-pandemia. Mas manteve os investidores sem pistas sobre seu próximo passo.

Continua depois da publicidade

Seja um dos primeiros a garantir ingressos para a NFL no Brasil com a XP. Pré-venda exclusiva com Cartão XP, aprovado em 24h!

“Assim como nos EUA, observamos um progresso significativo na redução da inflação na Europa. Avaliamos que a política monetária do BCE é apropriada”, disse Kozack, acrescentando que o FMI já havia recomendado cortes pelo BCE a partir de junho. “Mas também é importante que o BCE mantenha sua abordagem dependente de dados e sua abordagem de reunião a reunião”, acrescentou.

Kozack disse que a economia dos EUA tem se mostrado “notavelmente resiliente” diante da política monetária restritiva e dos choques econômicos, com uma forte demanda interna, apesar dos dados mais lentos do produto interno bruto do primeiro trimestre.

Continua depois da publicidade

“Os dados de inflação do primeiro trimestre foram, em geral, mais altos do que gostaríamos de ver nos EUA. E é um lembrete de que haverá obstáculos na estrada enquanto os EUA se esforçam para leva a inflação de volta à meta”, disse Kozack. “Isso também reforça a necessidade de o Fed ser cauteloso e depender dos dados para decidir a política monetária nos próximos meses.”

Fonte: InfoMoney

Share.