O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) publicou, nesta quarta-feira (26), um decreto que modifica o sistema de metas de inflação no país, como já era esperado pelo mercado e vinha sendo anunciado pelo próprio Executivo desde o ano passado.

As alterações foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União (leia aqui).

A partir do dia 1º de janeiro do próximo ano, o Brasil passa a ter uma “meta contínua” de inflação, cujo patamar deve ser definido em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), programada para esta tarde.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

O CMN é composto pelos ministros da Fazenda, Fernando Haddad (PT), e do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet (MDB), além do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto.

Lula já teria dado aval à equipe econômica para que a meta seja mantida no patamar atual, de 3%. Como há uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, a meta atual de inflação no Brasil é cumprida se ficar entre 1,5% e 4,5%.

Continua depois da publicidade

O que muda

O novo sistema vai substituir o modelo atual de busca pela meta em cada ano-calendário. O que mudará, na prática, é o intervalo do cáculo.

Atualmente, a meta é anual – ou seja, o governo trabalha para assegurar o cumprimento da meta no período de janeiro e dezembro de cada ano.

Com a adoção da meta contínua, o que valerá é o intervalo de 12 meses, a qualquer momento do ano, independentemente do ano-calendário. Ou seja, o objetivo passa a ser contínuo, mês a mês, o que, segundo o governo, transmitirá aos agentes econômicos maior estabilidade e previsibilidade.

Continua depois da publicidade

“A meta será representada por variações acumuladas em doze meses de índice de preços de ampla divulgação, apuradas mês a mês”, diz o decreto publicado nesta quarta-feira.

De acordo com o decreto, a meta será considerada descumprida se o resultado da inflação ficar fora do intervalo de tolerância por seis meses consecutivos.

Assim como o valor exato da meta, o intervalo de tolerância e o índice de inflação a ser usado como referência não constam do decreto.

Continua depois da publicidade

Ainda segundo o decreto, “a meta e o respectivo intervalo de tolerância serão fixados pelo Conselho Monetário Nacional, mediante proposta do Ministro de Estado da Fazenda, observada a nova sistemática de meta para a inflação”. 

“A meta e o intervalo de tolerância poderão ser alterados pelo Conselho Monetário Nacional, mediante proposta do Ministro de Estado da Fazenda, observada a antecedência mínima de trinta e seis meses para o início de sua aplicação”, diz o decreto.

Fonte: InfoMoney

Share.