Roma (Reuters) – O Parlamento italiano aprovou uma reforma contestada que concedeu mais poderes às regiões após uma sessão tempestuosa que durou a noite toda. A mudança, segundo os críticos, deve piorar a divisão histórica entre o norte rico do país e o sul mais pobre.

Defendida pelo partido da Liga no governo de coalizão, a câmara baixa aprovou a reforma na madrugada de quarta-feira (19), após uma sessão que terminou com os deputados da oposição cantando o hino nacional e agitando a bandeira italiana.

 

Continua depois da publicidade

Adquira o Cartão XP! Ele transforma suas compras em investimentos e oferece acesso a salas VIP em aeroportos 

O líder da Liga e vice-primeiro-ministro, Matteo Salvini, saudou “uma vitória para todos os italianos”, dizendo no X que a reforma ajudaria a Itália a se tornar um país mais moderno, com menos desperdício de recursos.

Os deputados da Liga brandiram a bandeira amarela e vermelha da histórica República de Veneza, com seu leão alado, quando a reforma foi aprovada com 172 votos a favor e 99 contra.

Continua depois da publicidade

Com os ânimos exaltados em ambos os lados, o ex-primeiro-ministro Matteo Renzi juntou-se aos apelos para reunir as 500 mil assinaturas necessárias para um referendo sobre a questão. “É uma medida que não ajuda o norte e prejudica o sul. É uma loucura institucional”, disse Renzi, membro do Senado, no X.

 

A coalizão de direita da primeira-ministra Giorgia Meloni promoveu a reforma como parte de uma mudança mais ampla do Estado italiano, incluindo planos para um chefe de governo eleito diretamente.
“Esse é um passo adiante na construção de uma Itália mais forte e mais justa, para superar as diferenças que existem hoje entre as várias partes do país”, disse Meloni.

Continua depois da publicidade

Autonomia ampliada

 

A nova lei permite que as regiões reivindiquem poderes mais amplos em serviços públicos essenciais, como saúde e educação, e tenham maior influência sobre como os impostos são gastos. A Liga espera que a lei reavive seu desempenho em seus tradicionais redutos do norte.

A Lombardia e o Vêneto, de direita, bem como a Emilia-Romagna, de esquerda, estão entre as regiões do norte que devem buscar mais autonomia. A extensão dos poderes devolvidos a elas dependerá de negociações com o governo central.

Continua depois da publicidade

Elly Schlein, líder do Partido Democrático, de oposição de centro-esquerda, atacou as medidas como divisórias e destinadas a aumentar a desigualdade. “Essa votação sanciona a existência de cidadãos de primeira e de segunda classe”, disse Schlein ao Parlamento.

A divisão norte-sul da Itália é exemplificada pela diferença econômica entre a região sul da Calábria, onde o produto interno bruto per capita é cerca de metade da média da UE, e a província norte de Bolzano, onde o PIB per capita é cerca de 150% da média da UE.

Fonte: InfoMoney

Share.