Os preços de produtos ligados à Pascoa estão menos amargos neste ano do que em 2023, segundo pesquisas divulgadas nesta segunda-feira (25). Um estudo da XP mostra que os consumidores vão gastar até 3,63% a mais em chocolates em barra e bombons neste ano. Isso é bem menos que a alta de 10,7% observada no mesmo período do ano passado.

A variação específica desses produtos também é inferior ao IPCA acumulado em 12 meses até fevereiro, que foi de 4,50%, segundo o IBGE.

O levantamento da XP foi feito com base na variação do IPCA e não inclui os preços dos ovos de Páscoa na cesta de produtos analisados.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Mas, segundo pesquisa do Procon-SP também divulgada hoje, o quilo dos ovos de chocolate – sem marca específica – na cidade de São Paulo teve uma queda média de -15,52% (de R$ 318,26 para R$ 268,87) entre março de 2023 e fevereiro de 2024, usando como base o IPC-Fipe.

Alexandre Maluf, economista da XP, explica que, além do aumento da demanda, que pressiona os preços na data comemorativa, outros fatores, como o preço do cacau, influenciam no preço final desses produtos.

Ele lembra que o aumento de preços em produtos como achocolatados, barras de chocolates e bombons é fortemente influenciado pelo aumento do valor do cacau no mercado internacional. E que vinha sendo impulsionado pela quebra de safra nos países produtores, principalmente na África.

Continua depois da publicidade

“Nos últimos dois anos, no entanto, a alta de preços do chocolate foi ainda maior por conta de um dos ingredientes: o açúcar, que foi impactado pela quebra da safra nos Estados Unidos com reflexos globais na cadeia de produção”, destaca. 

Comparação

Para encontrar preços mais em conta, o Procon-SP orienta aos consumidores que façam uma comparação entre os preços praticados por diferentes estabelecimentos, ainda que em lojas virtuais, considerando a relação qualidade, peso e preço do item a ser adquirido.

“Nas lojas virtuais, é fundamental também comparar o preço do frete. Produtos licenciados com personagens em geral têm um preço mais elevado, em face do repasse do custo deste licenciamento”, diz o órgão de defesa do consumidor.

Segundo o Procon, na cidade São Paulo, era possível encontra um Ovo de Páscoa Arcor Bon Bon – Morango, de 150g, com preços entre R$26,98 e R$69,90 nos supermercados da cidade entre os dias 11 a 13 de março. Já a Colomba Pascal Visconti Gotas de chocolate, de 360g, tinha preços entre R$14,98e R$29,99

Almoço de Páscoa

Para o almoço de Páscoa, no entanto, os preços tiveram variação diferenciada, segundo a XP. O bacalhau, um dos itens tradicionais da época, manteve o preço praticamente estável (0,46%) em relação ao ano passado, enquanto os pescados de maneira geral subiram 2,68%.

Mas o preço do azeite, também ingrediente básico para receita, está 40,7% mais caro em 2024. E por uma combinação de fatores, com destaque para os efeitos do fenômeno climático El Niño na Europa.

Outros itens importantes em queda na “cesta de Páscoa” são o óleo de soja (-22,73%), carnes (-7,95%) e margarina (-8,43%). 

Entre as altas, destacam-se açúcar refinado (13,92%), açúcar cristal (7,51%), sorvete (10,43%) e bebidas alcóolicas, exceto cerveja e vinho (11,27%).

Fonte: InfoMoney

Share.