A Comissão Executiva Nacional do PT publicou uma nota em que defende a continuidade dos pisos constitucionais da saúde e da educação e a manutenção do aumento real do salário mínimo, com vinculação às aposentadorias e benefícios da Previdência e Assistência Social.

No texto, o PT também rechaça a proposta que dá autonomia financeira ao Banco Central (BC).

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

Na manifestação, divulgada nesta segunda-feira (17) no site do partido, a legenda diz que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “está enfrentando forte campanha especulativa e de ataques ao programa de reconstrução do país com desenvolvimento e justiça social”.

O PT também afirma que “a direção bolsonarista do Banco Central” move “sabotagem ao crédito, ao investimento e às contas públicas”. Além disso, fala em “feroz resistência de setores privilegiados diante das necessárias e inadiáveis propostas para a correção de desonerações tributárias”.

A sigla diz, ainda, que “setores e analistas fabricam uma inexistente crise fiscal”. O PT enaltece o crescimento da arrecadação e cita a aproximação do déficit primário para um índice próximo de zero neste ano.

Continua depois da publicidade

“Diante deste cenário, o Partido dos Trabalhadores reafirma seu compromisso com a manutenção dos pisos constitucionais da Saúde e da Educação, da política de aumento real do salário mínimo e sua vinculação às aposentadorias e benefícios da Previdência e Assistência Social”, diz o texto.

O PT prossegue: “Também nos manifestamos contrariamente à proposta de emenda constitucional que pretende conferir autonomia ainda maior – financeira e administrativa – ao Banco Central.”

Leia também:

Continua depois da publicidade

O partido afirma que “a nocividade da autonomia já em vigor da autoridade monetária ficou patente pela conduta irresponsável do presidente e dos diretores nomeados pelo governo passado”.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) está sob análise no Senado, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A relatoria é do senador Plínio Valério (PSDB-AM).

Durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o Congresso aprovou uma lei complementar que estabelece a autonomia do Banco Central. A nova regra foi sancionada em 2021.

Fonte: InfoMoney

Share.