Uma eventual saída do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT) do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seria um desastre político e econômico que tornaria uma situação já difícil ainda mais delicada. Esta é a avaliação do ex-deputado federal Rodrigo Maia (RJ), que projeta ainda mais dificuldades para o país em 2025 e 2026.

Em entrevista à jornalista Andreza Matais, do UOL, o ex-presidente da Câmara dos Deputados afirma que o momento é de “fortalecer o Haddad, de forma nenhuma trocar, mudar, enfraquecer, isolar”, em meio à percepção de setores do mercado de que estaria havendo uma “fritura” do chefe da equipe econômica dentro do próprio governo.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

“A solução fácil é trocar o ministro. A solução difícil é compreender que o ministro fez o correto e, como ministro, teve que aceitar a decisão do governo de acabar com o teto de gastos e dar aumento real do salário mínimo, só que tudo isso gera um impacto total nas contas públicas e aí o Brasil está pagando o preço”, avalia Maia.

Segundo o ex-deputado, a agenda econômica defendida pelo ministro da Fazenda enfrenta forte resistência do próprio PT, partido de Haddad e Lula.

“Boa parte do PT acredita que a expansão de gasto público não necessariamente pode ser um problema. Eles acreditam que, através do Estado, você transforma a vida das pessoas, enquanto os liberais acreditam que, quanto menos custo, mais há orçamento livre para que as pessoas tomem suas decisões. É um debate ideológico, eu respeito. Agora, o que eu estou dizendo é que a situação do Brasil de hoje é diferente. O espaço para a política de aumento de carga tributária não existe”, afirma.

Continua depois da publicidade

Para Maia, “Haddad foi aquele que conseguiu minimamente construir um caminho para se gerar a possibilidade de uma solução”. “Agora, o Congresso e a sociedade não querem um aumento de carga tributária. A saída dele do governo seria muito pior, uma tragédia. Eu acho que o Haddad consegue ter uma relação de confiança com os atores econômicos, com as empresas, a indústria”, opina.

“Neste momento, essas políticas que aumentam despesa estão gerando mais problemas que soluções. O governo vai ter coragem de mudar isso ou vai dizer que a ampliação do gasto público é a solução para a economia brasileira?”, indaga o ex-presidente da Câmara.

“Há uma decisão política do governo (fim do teto de gastos, volta dos mínimos constitucionais de saúde e educação e aumento real do salário mínimo) que vai impactar em R$ 600 bilhões as despesas públicas em quatro anos e a capacidade do governo de tentar com o Congresso fechar essa conta pelo lado da receita está ficando cada vez mais claro que é praticamente impossível”, avalia.

Continua depois da publicidade

“O setor privado está vendo que, do jeito que está, não apenas essa MP que compensava a desoneração, mas outras medidas terão que aparecer para o governo poder cumprir a sua meta de déficit primário zero ou próximo a zero. O que se projeta para 2025 e 2026 é uma situação mais difícil que a de hoje, apesar de os dados da economia estarem positivos.”

Articulação política

Na entrevista, o ex-presidente da Câmara foi questionado se Lula comete um erro ao insistir na manutenção do ministro Alexandre Padilha (PT-SP) à frente da Secretaria de Relações Institucionais.

“O problema do governo na articulação não é esse. O problema é que os ministérios relevantes do ponto de vista político estão todos na mão do PT. O Palácio é todo do PT. O PT tem 68 de 513 deputados. Então, se você tirar o Padilha e colocar qualquer outro do PT, você vai ter os mesmos problemas”, diz.

Continua depois da publicidade

“A decisão do presidente na formação do seu governo não converge com o que veio das urnas no Parlamento. É um direito dele, mas isso, claro, gera um enfraquecimento do governo no Parlamento, um menor comprometimento dos partidos que não estão no núcleo do poder. O problema está na decisão do presidente de formar um governo no qual o PT tem participação além do seu espaço no Congresso.”

Fonte: InfoMoney

Share.