A varejista de moda online Shein está pronta para entrar com um pedido de oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês) em Londres ainda nesta semana, segundo a Bloomberg. 

A “fast fashion” chinesa planeja uma listagem de ações antes de uma potencial mudança de governo no Reino Unido. As próximas eleições legislativas acontecem em 4 de julho. 

Na operação, a empresa de moda seria avaliada em cerca de 50 bilhões de libras (R$ 335 bilhões), segundo fontes. A submissão confidencial pode ocorrer já na próxima semana. A empresa ainda precisa da aprovação da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China, que determina regras para listagens de empresas nacionais fora da China.

A oferta da varejista tem potencial para ser um dos maiores IPOs do Reino Unido, dando um novo fôlego para a Bolsa de Londres, que nos últimos anos perdeu parte do valor de mercado com a transferência de negociações de ações de empresas para a Bolsa de Nova York. 

Tentativa frustrada em Wall Street

Antes de considerar um IPO em Londres, a Shein planejava uma oferta em Nova York. Em novembro do ano passado, a varejista das “blusinhas” entrou com um pedido confidencial para abrir capital na Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, a SEC. No entanto, a oposição de parlamentares do país dificultou a aprovação pelo xerife do mercado de capitais americano. 

Vale lembrar que o governo americano vem promovendo um cerco a empresas chinesas, como o TikTok, que corre o risco de ser banido por lá caso não seja vendido pela ByteDance. Fundada na China, a Shein agora está sediada em Singapura. 

Apesar da resistência por lá, a varejista ainda poderá buscar uma listagem secundária em Nova York após a abertura de capital em Londres, informou a Reuters em maio. 

  • Concorrência com as plataformas chinesas Shein e Shopee está prejudicando boa parte das varejistas brasileiras, mas três ações do setor parecem estar “imunes”; veja quais são neste relatório gratuito

*Com informações da Bloomberg e Reuters

Fonte: SeuDinheiro

Share.