Dizem que é melhor ter poucos, mas bons amigos. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, tem poucos amigos, porém perigosos — e Kim Jong Un, o líder da Coreia do Norte, é um deles.

As sanções impostas pelos EUA e aliados por conta da invasão da Ucrânia, deixou Moscou praticamente isolada no cenário internacional — ficou cada vez mais difícil para Putin conseguir dinheiro para manter a máquina de guerra russa de pé. 

A China, que nunca assumiu oficialmente um lado na guerra, tem contribuído com a Rússia por meio de compras de petróleo mais barato, por exemplo, mas não é a única a dar um suporte financeiro a Putin. 

O chefe do Kremlin ainda tem ao seu lado Belarus — nação localizada entre a Rússia e a Ucrânia e que disponibilizou seu território como ponto de partida para parte da invasão executada pelo Kremlin — e países como Síria, Venezuela, Cuba e Nicarágua.

Faz parte da lista de amigos de Putin a Coreia do Norte, destino da viagem do presidente russo depois de 24 anos. 

O que Putin foi fazer na Coreia do Norte?

A visita oficial de Putin à Coreia do Norte depois de mais de duas décadas foi acompanhada com bastante atenção pela comunidade internacional, sobretudo pelos EUA.

Há anos, os norte-americanos vêm tentando isolar a Coreia do Norte com sanções devido ao programa de armas nucleares do país e, desde 2022, a Rússia vem sendo alvo de esforços semelhantes por causa da invasão da Ucrânia.

Agora, Washington teme a aproximação estratégica entre os dois países. E não é à toa: o temor é de que a Rússia possa estar comprando armamentos da Coreia do Norte. Por causa das sanções norte-americanas, Pyongyang não consegue vender muitas das suas armas a outros países.

O saldo de uma amizade ardente

O presidente da Rússia e o líder norte-coreano assinaram nesta quarta-feira (19) um pacto que inclui uma promessa de ajuda mútua caso qualquer um dos países sofra “agressões”.

Embora os detalhes não tenham ficado claros de imediato, o acordo poderá marcar a ligação mais forte entre Moscou e Pyongyang desde o fim da Guerra Fria. 

Ambos os líderes descreveram o pacto como um grande aprimoramento em suas relações, abrangendo segurança, comércio e investimento, além de laços culturais e humanitários.

Kim declarou que os dois países têm uma “amizade ardente” e prometeu total apoio à guerra da Rússia na Ucrânia.

 Putin, por sua vez, disse que o pacto é um “documento inovador”, que reflete o desejo mútuo de levar as relações bilaterais a um nível superior. 

*Com informações da BBC e da Associated Press

Fonte: SeuDinheiro

Share.